05 março 2015

Na minha Guarda

Na minha Guarda sou único e quem comigo trabalha também sabe que o é.

Na minha Guarda todos amamos verdadeiramente o que fazemos e não apenas esperamos ser pagos a cada mês.

Na minha Guarda o respeito adquire-se pelas acções e não por palavras, pelo posto ou antiguidade.

Na minha Guarda olhamos constantemente o futuro e agimos para conseguir o que queremos ser amanhã, não agimos por obrigação.

Na minha Guarda o sentido da responsabilidade pelos nossos actos corre-nos nas veias, não esperamos que alguém faça por nós.

Na minha Guarda cada um dá o máximo, porque confia e sabe que os outros também o fazem.

Na minha Guarda temos sempre presente a importância do que fazemos, não estamos a fazer favores a ninguém.

Na minha Guarda, somos mais que uma família. Estamos unidos em torno de um propósito e não há lugar para quem não quer conviver com os seus pares.

Na minha Guarda sei que dependo dos meus pares e eles dependem de mim, por isso respeito-os fazendo cada vez melhor as minhas tarefas.

Na minha Guarda quando não sei ou duvido de alguma coisa pergunto humildemente, pois sei que há sempre alguém que sabe mais que eu.

Na minha Guarda todos possuem uma vontade constante em aprender cada vez mais e melhor, não há lugar para quem se acomoda ou julga que já sabe tudo.

Na minha Guarda empenha-se mais tempo a pensar e a falar no que cada um pode fazer melhor do que naquilo que os outros fazem mal.

Na minha Guarda cada dia de serviço é uma oportunidade única para melhor servir e não apenas uma contagem decrescente até ao dia de passagem à Reserva.

Na minha Guarda somos frontais e honestos, dizemos o que é preciso dizer uns aos outros e não comentamos ou criticamos nas costas.

Na minha Guarda aceitamos as críticas independentemente do conteúdo ou da origem, pois elas nos fazem reflectir e crescer.

Na minha Guarda sabemos distinguir a luta pelos direitos individuais e a luta por melhor desempenhar a nossa missão.

Na minha Guarda as verdadeiras recompensas não vêm de dentro mas das pessoas que servimos com os nossos atos.

Na minha Guarda todos esperamos ter mais trabalho, não estamos à espera que não aconteça nada.

Na minha Guarda as mudanças são desafios e oportunidades que olhamos sempre com optimismo, não nos acomodamos aos hábitos e direitos adquiridos.

Na minha Guarda não se separa o cidadão do militar, pois não há bom cidadão que seja mau militar.

Esta é a minha Guarda!

A minha Guarda … construo-a todos os dias com acções, decisões e atitudes!

A minha Guarda … sou eu e vocês!

 
Texto da autoria de Eduardo Lérias publicado na Revista "Guarda Nacional Republicana".

20 outubro 2014

Felicidade: onde é que ela anda?

Infelizmente, são poucos os momentos em que reconhecemos como a vida é injusta e incerta e tudo à nossa volta pode ser abruptamente destruído ou alterado em segundos.

A importância que atribuímos a certos pormenores ou factores das nossas vidas, na nossa azáfama diária constante e cíclica, cega-nos com demasiada regularidade da visão do que realmente torna as nossas vidas únicas e verdadeiramente importantes: somos o que vivemos e não o que possuímos!

Viver é uma aventura diária, incerta e muitas vezes injusta que regularmente nos presenteia com resultados inesperados, antagónicos e até mesmo trágicos. "Tudo é uma questão de perspectiva." - apesar de parecer uma afirmação de circunstância, não deixa de ser um princípio tão transversal como verdadeiro. O problema desta afirmação é que nem sempre conseguimos ou estamos dispostos a tentar ver a vida de outra perspectiva!

Queixamos-nos constantemente da falta de capacidade financeira, do emprego, do governo, do sistema, enfim... tudo tem "uma ponta por onde se pegue". A energia e o tempo que despendemos nesta crítica destrutiva e que não nos guia a lugar algum, impede-nos de contemplar a nossa própria vida, mesmo que haja pouco para tal! Mudar a perspectiva não é apenas difícil como aparentemente não nos trará qualquer benefício. É um exercício moroso, exige muita força de vontade e abertura de espírito para a mudança. Por isso, não é um "desporto" que tenha muitos adeptos!

Pois esta mudança de mentalidade pode até ser a chave mestra da "porta da felicidade"! Reconhecer o milagre da vida nas nossas próprias vidas pode tornar-se algo de extraordinário. Mais ainda que ganhar o "euromilhões"!

A cultura e religião orientais mais clássicas, apontam esta forma de ver e estar na vida como um dos princípios espirituais basilares! Outros como a gratidão e o respeito por tudo o que nos rodeia completam um quadro da vida em que a "paz interior" impera e é conducente ao que os ocidentais procuram incansavelmente: a dita "felicidade"!

Qual é o verdadeiro sentido da "felicidade"? Será que algum dia conseguiremos chegar lá? Será este o caminho certo? Parece-me que tal como a própria vida, incerta na sua essência, só saberemos se alguma vez tentarmos...

08 julho 2014

Segurança é sinónimo de Proximidade e Confiança


Numa sociedade em constante mudança, onde os padrões culturais e sociais são bem distintos dos que se viviam há bem poucos anos mas em que a grande maioria dos cidadãos viveu essa mutação acelerada, é natural que as instituições públicas sejam também forçadas a mudar para acompanhar esta realidade sob pena de não conseguirem sobreviver.
 
A Guarda Nacional Republicana é também uma dessas instituições, naturalmente obrigada a adaptar-se à sociedade, procurando ajustar a sua atividade para as novas necessidades dos cidadãos em matéria de segurança.
 
A segurança dos cidadãos é um conceito complexo mas que poderá simplificar-se pela compreensão de dois dos seus pilares estruturais: a segurança efetiva e o sentimento de segurança.
 
A complexidade advém do facto que a segurança efetiva que é aferida através de estatísticas criminais, muito exploradas pela comunicação social em geral, comentadas por “especialistas” em segurança e apresentadas de formas convenientes, são preocupantemente influenciadoras do segundo pilar: o sentimento de segurança.
 
Esta perceção própria de cada cidadão sobre a sua segurança e a dos que o rodeiam é constantemente alterada por fatores externos que vão desde a vastidão de notícias na comunicação social à simples conversa sobre uma ou outra situação. Outros fatores estruturantes como o desaparecimento de referências éticas, religiosas, humanistas e culturais, o aumento da delinquência juvenil e das incivilidades, aliados a uma população cada vez mais preocupada com a delinquência provocam uma generalização do sentimento de insegurança.
 
É precisamente neste contexto que a Guarda Nacional Republicana se encontra atualmente empenhada em transformar a visão generalizada de ser uma força legalista, desligada do contexto social e com uma atuação rígida e reativa para a visão de uma força humana, próxima e de confiança.
 
Através de um modelo de policiamento orientado para a resolução dos problemas, para as reais necessidades e expectativas dos cidadãos em matéria de segurança, privilegiando formas e modalidades de trabalho conjunto entre a Guarda a as populações, pretende-se encontrar formas criativas e inovadoras de resolver os problemas de insegurança.
 
Uma maior visibilidade e presença junto das pessoas, mantendo com estas um diálogo permanente e contínuo, propiciam à transformação de uma ação policial reativa numa ação policial preventiva. Desta forma, a Guarda estará a contribuir para uma melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e para a valorização do serviço público.
 
 
O Destacamento Territorial de Ponte de Sor tem vindo a adotar progressivamente um patrulhamento orientado para estes objetivos, promovendo a participação ativa dos cidadãos na sua própria segurança para com estes prevenir a delinquência e a criminalidade.
 
Esta nova dinâmica em que os militares estão mais próximos de quem precisa tem levado ao aumento da confiança geral no serviço policial e, por sua vez, a uma maior colaboração entre militar e cidadão. Ilustra muito positivamente esta aposta na proximidade uma intervenção recente dos militares do Posto Territorial em Ponte de Sor que recebendo informações da população puderam por cobro a uma situação de burla que durava há longos meses e em que eram feitos falsos peditórios alegando serem destinados a crianças com doenças oncológicas.
 
Poderiam ser dados mais exemplos de situações muito positivas resultantes desta maior aproximação, mas importa neste contexto realçar que a proximidade contribui diretamente para um fortalecimento da confiança mútua. Já afirma a eficiência germânica que “a confiança é a mãe dos grandes atos”.
 
O cidadão sente necessidade de depositar na Guarda, nos seus militares, a esperança de que estes irão resolver os seus problemas e que desta forma lhe será devolvida a sua tranquilidade, a sua segurança. A confiança nasce através de uma ação que vá de encontro a essa esperança e que corresponda às expectativas e anseios que o cidadão possui em se sentir seguro.
O sentimento de segurança cresce irmãmente com a confiança entre Guarda e cidadão e o principal fruto deste crescimento é a maior qualidade de vida das populações em matéria de segurança.
É desta forma que a segurança se torna sinónimo de proximidade e confiança e é promovendo esta dinâmica que a Guarda Nacional Republicana é atualmente uma força humana, próxima e de confiança.
 
"Publicado no Jornal A Ponte, Ponte de Sor"

10 maio 2014

Pensamentos...


Engraçado como sentimentos e emoções se repetem em circunstâncias tão distintas... e mesmo assim se continua a ter dificuldade em lidar com elas! 

É sinal que se deve estar mais atento e aprender melhor as lições que a vida nos proporciona a cada ano, mês, dia, hora, minuto e segundo em que o coração bate.


Viver parece difícil, mas não é fácil! Se fosse, não era para nós!

23 abril 2014

DIA DA TERRA


Comemorou-se ontem o Dia da Terra, este planeta maravilhoso que todos habitamos e que muito nos tem ainda para surpreender!

Espero que apesar de todo o mal que a Humanidade lhe tem feito, continue a ser por muitos e largos anos o "lar" deste ser humano que nem sempre o sabe respeitar.

A Terra, na sua insignificância para com o Universo, é em si própria um universo tão grande e assombroso como o primeiro. É um lugar magnífico!

15 abril 2014

UMA VISÃO DIFERENTE


A série Cosmos, da National Geographic, tem-me surpreendido de uma forma extraordinária. Muitos aspectos ali expostos deixam-me realmente a pensar na vida, no mundo e em muito mais coisas...


É interessante equacionar a própria vida quando se constata o quão pequenos somos e simultaneamente tão grandes! A nossa dimensão ínfima neste enormíssimo universo que nos rodeia é brutalmente equivalente à complexidade quantitativa dos mais pequenos átomos que nos constituem.


Este "milagre da vida" é ainda mais interessante quando concluímos que tudo neste universo, e noutros, é constituído pelos mesmo componentes. Desde a simples gota de água ao mais complexo dos seres vivos, passando também por aqueles que designamos como "não tendo vida", todos possuem os mesmos componentes! Em quantidades, tipologias e formas distintas somos partes que acabam por estar ligadas através destes componentes. Como as peças de um automóvel e como as várias partes do corpo humano, neste "cosmos" todos somos partes distintas de algo, interligados entre si pelos mesmos componentes que nos formam. 


A energia é outro dos fenómenos que tornam esta vida fantástica! A energia faz com que todos os componentes estejam em constante alteração, dando razão à célebre frase de Lavoisier "... nada se cria, nada se perde, tudo se transforma ...".


Perceber como a relatividade de Einstein está presente em tudo o que nos rodeia, assumindo como uma verdade absoluta que "tudo é relativo", transforma a nossa visão humana minimalista numa abordagem tão abrangente que roça a incompreensão.


Explorar o conceito temporal, levando a compreender a extrema proximidade entre o passado, o presente e o futuro que de tão próximos que estão quase se misturam, é mais uma variável que nos leva a observar este mundo de uma forma bem distinta.


O ser humano, com a sua complexidade psico-emocional capaz de superar a complexidade biológica, é de fato extraordinário. A forma como conseguiu evoluir tanto, compreendendo a sua origem e o que o rodeia, em muito impulsionado pelos génios que marcam a nossa História Universal, num calendário cósmico onde apenas ocupa uns escassos minutos, leva-me a equacionar como seremos daqui a mais uns "minutos cósmicos".


Leva-me a começar a ter uma visão diferente de tudo.

10 abril 2014

Quanto mais fazes, mais recebes!

Fazer o correto, da forma correta para obter os resultados corretos.
Inspiração para alcançá-los é o que te motiva a agir porque tu o desejas.
O sucesso é alcançado e mantido por aqueles que tentam e continuam a tentar.
Em primeiro lugar, a única coisa no mundo que te pode levar aos teus objetivos na vida é a tua mente. O seu uso efetivo. E seguir através de boas ideias poderá surpreender-te.

Qual o aspeto mais importante, mental ou físico, para fazer um campeão na sua opinião?
- Mental, porque se não tiver uma atitude mental nunca o comseguirá, porque é muito difícil. Muitas pessoas começam e depois desistem porque estão não estão focadas aqui. É preciso ter isso.

Pensa na ética da vida. Só se vive uma vez, tira vantagem disso, aproveita-a.
É uma questão de usa-a ou perde-a!

Se quiseres mudar a tua mente e pensar que és um soldado e esta vida é um campo de batalha, tu consegues vencer a cada manhã pensando que cada dia é uma nova batalha.

Tudo na vida é possível mas tu é que o fazes acontecer.

O teu sucesso abastece a tua ambição. O teu sucesso dá-te energia extra. O teu sucesso abre o caminho para novos sucessos.

A disciplina que era tão difícil no início, a disciplina que te fez seguir em frente faz agora parte da tua filosofia.

A essência da vida é o crescimento. A essência da vida é crescer para fazer o melhor que puderes.

Quanto mais fazes, mais recebes!

27 março 2014

INTERNET VENCE PRIVACIDADE EM BATALHA DESIGUAL

 
 
 
Privacidade é mais um dos conceitos em verdadeira mutação nos nossos dias. Se há 20 anos se podia ter "privacidade" dentro das paredes do nosso lar, hoje já nem aqui se pode encontrar!
 
As portas do nosso lar já não são apenas físicas. Acrescentámos portas digitais aos nossos lares ao deixar entrar a internet nas nossas vidas! A questão é que essas portas não são totalmente controladas por nós e estão constantemente abertas a todo o visitante!
 
A World Wide Web, vulgo internet, fez 25 anos de existência e em tão pouco tempo alterou profundamente a nossa forma de viver em sociedade. Neste aniversário, foi avançado por especialistas que num futuro próximo, 2025, a internet fluir nas nossas vidas como a eletricidade! Adiantaram ainda um cenário não muito agradável quanto à privacidade, prevendo que esta será um privilégio das elites! http://www.jn.pt/PaginaInicial/Tecnologia/Interior.aspx?content_id=3731626&page=1
 
Ainda há dias, uma reportagem alertou-nos para a inexistência da privacidade na internet! O negócio da informação pessoal prolifera debaixo dos nossos olhos sem que sequer nos apercebemos.
 
O maior temor do cidadão comum é a exposição pública da sua vida privada. Mas o que está em causa não é essa exposição! Como tal, muitos aceitam esta ilusão de privacidade afirmando que "toda a gente já sabia" pois continuam agarrados à falsa ideia de que desde que não exista exposição a privacidade mantém-se.
 
Mais grave que a exposição pública da vida privada é a utilização da informação pessoal (atenção: dados pessoais, interesses, hábitos, ligações, contactos, etc.) para fins comerciais!
 
 
A iminência de passar de fins comerciais para fins criminais é assustadora. Os "segredos" que todos escondemos nas nossas "viagens" na net, são armas altamente eficientes com vítimas bem definidas: nós! Já se equacionaram da possibilidade de virem a ser subornados ou coagidos perante a possibilidade da "exposição pública" desses "segredos"? Já equacionaram a possibilidade de serem vítimas de burlas informáticas, roubos ou até rapto do próprio ou dos filhos, seguidos de coação/extorsão? Já equacionaram ver a vossa vida atual destruída por alguém?
 
Dirão vocês "Isso é um exagero!". Acreditem que não o é.
 
Reflitam e pensem se de fato não estamos todos verdadeiramente expostos a esta possibilidade! Proponho que vejam este filme como mais um momento de reflexão sobre este tema:
 
Desligados (2012) Poster  

26 março 2014

ENSINAR A APRENDER

 
Considero-me um pai preocupado com a forma como educo e ensino os meus filhos - como qualquer pai comum, digo eu.
 
A aprendizagem é um processo constante em que pais e filhos aprendem mutuamente. Não raras vezes nós pais nos questionamos se esta ou aquela forma de ensinar/educar é a mais adequada, se esta não lhe provocará traumas futuros, se aquela o ajuda verdadeiramente naquilo que mais precisa, enfim ... uma panóplia de se's que nunca mais acabam!
 
Um das grandes falhas deste processo educativo e de ensino é a falta de atenção e concentração dos pais no próprio processo. A azáfama do dia-a-dia leva-nos a esquecer de questionar o "nosso" processo educativo que estamos a proporcionar aos nossos filhos.
 
Através de um acidente sofrido, surgiu a oportunidade de me fazer essa questão. Como poderei eu melhorar a forma de educar e ensinar os meus filhos? Estou de mente aberta e com a disponibilidade necessária para mudar hábitos e atitudes?
 
Na procura da resposta, que ainda não terminei, descobri ocasionalmente uma ferramenta que partilho por considerar de uma enorme qualidade. O livro "Todas as Crianças Podem Ser Einstein", de Fernando Alberca é uma excelente reflexão e simultaneamente uma ferramenta para ajudar a encontrar a tal resposta.
 
Apesar de não o considerar a resposta final para todas as minhas questões neste âmbito, penso que todo os pais interessados pela educação e ensino dos seus filhos o deverão ler e refletir.
 
Ensinar a aprender é uma das tarefas mais difíceis dos pais.
 
Vale a pena apostar em fazer bem essa tarefa!

25 março 2014

"AZEITONA SEGURA" CONTINUA A DAR RESULTADOS...


"No âmbito do Programa "Azeitona Segura" o Posto Territorial da GNR de Sousel desenvolveu parcerias com a Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Sousel e com a Repartição de Finanças de Sousel.

Por conseguinte, toda a azeitona apreendida pela GNR de Sousel proveniente de Furtos foi depositada no Lagar de Sousel (Cooperativa Agrícola dos Olivicultores de Sousel, C.R.L) e levantados os respectivos Autos pela Repartição de Finanças.
Dos 218 Kg apreendidos de azeitona furtada, resultou um total de 40 Litros de azeite que foram doados à Santa Casa da Misericórdia de Sousel no passado dia 24 de março, numa cerimonia simbólica que decorreu na Residência Sénior da Santa Casa da Misericórdia de Sousel, com os representantes das entidades envolvidas."

in http://www.cm-sousel.pt/pt/lista-noticias/26-noticias/884-gnr-de-sousel-faz-doacao-de-azeite